segunda-feira, 5 de fevereiro de 2007

TLEBS DO AMARAL, ÓRFÃO DE PAI AOS 65 ANOS



Professor jubilado da Universidade de Lisboa, Mário Carvalho Tlebs do Amaral é um dos maiores filósofos e linguístas europeus. É autor de obras como “As Origens Sociais dos Disjuntores Mentais”, “Teoria Geral dos Gigantes Magnéticos”, e desse inclassificável livro que dá pelo nome de “Introdução Crítica à Teoria dos Incompatíveis Bifurcantes”. Mais recentemente ganhou alguma notoriedade ao criar a Nova Terminologia Linguística para o Ensino Básico e Secundário.

Sarja Akhmani (S.A.) – Professor, obrigado por nos receber em sua casa. Talvez seja interessante saber qual foi o motivo que despoletou a criação da Nova Terminologia Linguística (Tlebs).

Tlebs do Amaral (T.A.) – Sabe, vivemos numa época em que os paradigmas mudam todos os dias. O mundo está cheio de paradigmas, é a superstição da novidade. A Austrália, por exemplo, é um paradigma, sabia disso? E a minha vizinha também. O pior é que toda a gente está confusa com os paradigmas da Austrália e esquece os da vizinha. Há uma velhinha que tropeça numa casca de banana e vai-se a ver e é um paradigma.

S.A. -- A sorte dela foi ter escorregado num paradigma.

T.A.--Há coisa de dois ou três meses os paradigmas do meu carro eram redondos e verde-garrafa. A semana passada, porém, o meu filho deu-lhes umas valentes marteladas e pintou-os de azul-bebé. Agora, não só mudaram de cor como são quadrados. Como vê, os paradigmas mudam da noite para o dia, Sarja.

S.A. – O professor deve estar a referir-se aos pára...

T.A. – Não, tanto num caso como no outro os significantes “tropeça/não tropeça na casca de banana” opõem-se estruturalmente a “verde-garrafa/azul-bebé”. O real desliza, está a ver? E tanto assim é que não só deslizou sob os pés da velhinha como não resistiu às marteladas do meu filho…

S.A. – O professor deve estar a referir-se aos pára-lamas do seu carro…

T.A.--O real flutua, essa é que é a verdade. É como se fosse um ídolo de muitos braços, um polvo escorregadio que não só muda de cor quando lhe apraz, como não resiste a umas boas marteladas….

S.A. – Repito: o professor deve estar a referir-se aos pára-lamas do seu carro.

T.A.--Tem toda a razão, Sarja. Normalmente confundo “pára-lamas” com “paradigma”, é um velho hábito meu.

S.A. – Professor Tlebs do Amaral, mesmo assim talvez não seja de todo desinteressante indagar as razões de uma terminologia que tanta celeuma tem provocado nos meios académicos e não só.

T.A.--Sarja, quando se chega a uma certa idade é importante mudar a nossa atitude para com as pessoas e as coisas em geral.

S.A. – A maturidade a tal nos obriga…

T.A.--E não só, Sarja, os paradigmas também. Os paradigmas estão por toda a parte. A Nova Zelândia também é um paradigma, sabia? E a irmã da minha vizinha também. Abre-se o olho esquerdo, e vê-se imediatamente um paradigma. Abre-se o olho direito e lá está outro paradigma a querer espreitar cá para dentro.

S.A.— E a Nova Terminologia, professor?

T.A.--Bom, a criação desta nova terminologia assenta num acontecimento que ocorreu a semana passada. Finalmente fiquei órfão de pai aos sessenta e cinco anos. A verdade é que sempre nos demos mal. Tínhamos discussões brutais. O meu pai estava constantemente a dizer que vivíamos rodeados de parasitas. Para ele, os tipos que não trabalhavam e viviam às custas dos outros eram parasitas, veja-me a cabeça daquele homem. Ele nunca entendeu que era um novo paradigma que estava a emergir. Vai daí, disse de mim para mim: bom, agora que estás morto é que a gente se vai entender….

S.A. – Quer então dizer que criou a Nova Terminologia com o intuito de comunicar com os mortos?

T.A.--Exacto!

S.A. – Com mil diabos! Mas isso é éxtra ór dnário!

T.A.--Na realidade, é um nadinha-ínha espantoso!

S.A. – Daí o facto de aparecerem termos que não lembram ao diabo…

T.A.--Sabe, os mortos falam línguas que não lhe passa pela cabeça. Línguas esquisitíssimas, você nem imagina. Isto é só para lhe dar um exemplo: ainda há dias estava eu todo descansadinho a gozar uma sessão espírita e de repente apareceu-me um fantasma que falava…português.

S.A. – Mas isso é éxtra ór dnário! Para que serve o Espiritismo, Professor?

T.A.--O Espiritismo serve simultaneamente para libertar e retirar. Passo a explicar: se você estiver interessado em progredir espiritualmente, poderá ajudá-lo a libertar a mente do espírito e o corpo da matéria. Por outro lado, se quiser progredir ainda mais, não só o ajudará a libertar a matéria da vizinha, como a retirar o juízo ao marido dela.

S.A. – Mas isso é éxtra ór dnário!

T.A.--Na realidade, o Espiritismo é um nadinha-ínha espantoso.

S.A. – Professor, há quem diga que uma terminologia não tem necessariamente de resolver problemas de descrição de uma língua, na medida em que não é uma gramática. No entanto, não lhe parece que a toda a taxinomia está sempre subjacente uma concepção do objecto que pretende classificar? Sendo assim, não faz muito sentido pôr de parte uma terminologia que deixa muita coisa de fora e substituí-la por outra que também não resolve nada e que ainda se dá ao luxo de complicar o que não explica….

T.A.--Na realidade, a Nova Terminologia é um nadinha-ínha espantosa.

S.A. – O problema é que os professores se deparam a cada passo com incongruências que depois não sabem explicar aos alunos, sobretudo quando estes se lembram de exercer o seu espírito crítico.

T.A.--Engana-se, Sarja. Tal como o meu pai, os professores também já estão mortos. Daí achar que esta Nova Terminologia está perfeitamente adequada a tão afável classe.

S.A. – Professor Tlebs do Amaral, é capaz de especificar melhor a utilidade da Nova Terminologia?

T.A.--Com todo o gosto, Sarja. Veja-se o nome “chaminé.” Dantes dizia-se que era uma nome concreto e mais não sei quê. Ora, que é faz uma chaminé? Expele fumo. Vai daí o ter incluído essa palavra na subclasse dos “tubos de escape das casas”. É bem mais simples, está a ver?

S.A. – Estou a ver…

T.A.--O mesmo ocorre com os clássicos “substantivos colectivos”. As abelhas, por exemplo. A irmã da minha cunhada (que por acaso também é minha mulher) tem uma abelha de estimação que come três quilos de erva por dia. Ora, se a abelha dela está gordíssima e come que nem um alarve, é caso para dizer que o nome que designa um conjunto de abelhas pertence à subclasse dos “Estábulos de vacas de mel”, está a ver. É muito mais simples.

S.A. – E os portugueses, Professor Tlebs do Amaral?

T.A.--Já reparou que ao contrário dos agora entre nós tão propalados nórdicos, os portugueses esqueceram-se do direito à desobediência civil? Veja-se os dinamarqueses. Acha que são atrasados? Que dizer de um povo que vai para a rua manifestar o seu inalienável direito à indignação quando sente que foi enganado?

S.A. –O Fernando Pessoa escreveu algures que os portugueses gostam de governos fortes…

T.A.--Os Portugueses, esses cobardolas ordeiros que se deixam manipular por galos com tiques autoritários? Enquanto os dinamarqueses ainda são vikings, nós não passamos de um nome não animado e nada contável. Por isso, decidi encaixar o substantivo que designa um conjunto de portugueses na subclasse da “Capoeira dos cavalos que comem e calam”. Está a ver? Assim, tudo se torna mais claro.

4 comentários:

Confucio do Amaral disse...

Este texto é das melhores coisas que já escreveste!!! Excepcional!!!

Pedro Rodrigues de Sousa disse...

De facto este TLEBS emerge das PLEBS num dia de nevoeiro como este! É extraórdnário!

Pedro Rodrigues de Sousa disse...

Oiçam lá alguns exemplos de antologia:
http://www.goear.com/listen.php?v=992ab36

Aviso isto é humro do melhor! Qual Gato Fedorento qual quê!!!

Sérgio A. Correia disse...

Obrigado, Pedro! És muito generoso.