domingo, 24 de agosto de 2008

poesia orientada

Temo os brandos cortumes
cheiros, naus e bundas,
o caldo vesgo sem tora
o caviar de cabala
na brandoa sem broa
que a europa-amérita
mal edita na bíblia.
O genioflexório dizíma
o feliz genosida de papas.
O sarrabulho do teu sangue
é néctar consumo
e gasolina com gás,
o aroma é estragão.

6 comentários:

lingerência triumph disse...

a publicação de poesia rasca é reservada aos comentários. faça o favor de retirar esta inserção no boletim.

sennas do próximo capítulo disse...

uma escuta telefónica entre um médico praticante e um lar de idosos agnóstico

frade feijão disse...

se eu tivesse aqui uma escumadeira já t'as dizia.

o paciente galês disse...

quanto mais leio este poema mais gosto de endoscopias

feijão vermelho disse...

sois todos uma vara de porcos comunas

Brandoa Alegre disse...

Ai eu cá gosto é de toques rectais!