quinta-feira, 1 de janeiro de 2009

ali babá e os dois mil e nove...


O Persistente da Républica dedicou a totalidade da sua mensagem de ano novo ao embrionário estatuto político-administrativo das Berlengas e Farilhões. Sabedor do interesse visceral que todos os portugueses, e mesmo algumas mulheres, nutrem pelo assunto, o Sr. Silva trouxe o tema para as luzes da ribalta política. De fora ficam as ilhas Formigas e as Desertas, ou Desiertas se preferirem.
O Persistente lá foi dizendo que está em causa o bom funcionamento das instituições democráticas...e patati patatá...blá..blá...(verbat non debent esse superflua)
Após o discurso que foi atentamente seguido por todos os operadores de câmara presentes no Palácio de Belém, o Persistente foi à janela agradecer os aplausos eufóricos de uma turba de 700 mil pessoas de chapéu que procuravam apenas vislumbrar o Sr. Silva ao vivo e a cores.
Através do porta voz da Casa Civil da Persistência, fomos informado que o próximo discurso, desde já marcado para Maio de 2009, quando o desemprego em Portugal atingir os 42% e tivermos há um mês em recolher obrigatório após pilhagens e motins populares, versará sobre a premente questão de Olivença.

6 comentários:

nuno gouveia disse...

olivença a concelho e já

inossente disse...

olivença a capital e é para ontem

Anónimo disse...

olivença...as balas comuns...os campos de concertação...tanta coisa...tanta coisa...

Anónimo disse...

até quero ver quem vai ser o segundo a colocar uma mensagem no boletim em 2009..até quero ver

Getrudes Mariani disse...

É preciso não deixar cair a questão dos círculos uninominais e de ou outra peça de arte roubada pelas forças napoleónicas!

Para a frente com a questão do casamento entre homofóbicos!

eu disse...

mais um trabalho de ilustração digno de um Pulitzer, de um Pritzker ou mesmo de um prémio de jogo